• 25/05/2024
05 Outubro 2022 às 10h57
Fonte de Informação: Da Redação - Cecília Calixto

Dia da Pessoa Idosa: Dra. Ylmara Chicri fala sobre a saúde do idoso e o apoio familiar

Neste último sábado, dia 1º de outubro, foi comemorado o ‘Dia Nacional da Pessoa Idosa’ e o ‘Dia Internacional da Terceira Idade’, data esta que tem o objetivo de conscientizar e sensibilizar a sociedade para as questões do envelhecimento, destacando a necessidade de proteção e de cuidados para essa população que atualmente representa 14,3% dos brasileiros, ou seja, 29,3 milhões de pessoas. Segundo estimativa do Ministério da Saúde, em 2030 o número de pessoas idosas deve se igualar ao número de crianças e adolescentes.

Com o intuito de falar sobre o assunto a reportagem do Portal Arcos entrevistou a médica Geriatra Dra. Ylmara Chicri, que falou sobre a saúde do idoso e a importância do cuidado e apoio familiar.

Dra. Ylmara iniciou comentando que o número de pessoas idosas realmente deve aumentar. Segundo ela, em 1960 a média de idade era em torno dos 60 anos, porém, hoje nós estamos na faixa de 76 a 77 anos para homens e 84 anos para mulheres.

“As pessoas estão vivendo mais, o que a gente mais espera é viver mais e melhor, porque não adianta a gente ir prorrogando e ir até os 100 anos estando em uma cama. A longevidade ela tem que ir aumentando nos anos de vida, mas tem que ter qualidade de vida nesses anos vividos. A pessoa tem que se sentir importante, ela tem que ser útil para ter uma boa longevidade”.

 

Prevenções para um bom envelhecimento

Dra. Ylmara ressaltou que é importante que as pessoas procurem um geriatra aos 40 anos, para que possamos programar o nosso futuro envelhecimento. “Nós temos que começar a pensar no nosso envelhecimento aos 40 anos, pois quando a gente chega aos 60 anos fica difícil a gente começar a programar. É igual trabalhar, a gente começa a trabalhar cedo e a pagar a aposentadoria para que no futuro possamos aproveitar ela, então você não pode programar a sua aposentadoria aos 60 anos, tem que ser antes e é a mesma coisa com a saúde, a gente tem que se programar cedo, e pelo menos aos 40 anos a gente deve começar a se programar para um envelhecimento mais saudável e mais produtivo”.

Dra. Ylmara explicou que essa prevenção aos 40 anos é, além de ir ao médico, ter uma mudança de hábitos na alimentação, no sono, e na forma de viver. Com isso, a melhor forma de prevenir um envelhecimento improdutivo é buscando de forma antecipada praticar uma atividade física, hidratação e ter uma boa alimentação com coisas menos industrializadas, com menos conservantes e mais naturais.

Segundo ela, quanto antes acontecer essa mudança de hábito melhor, porque fazer essa mudança em uma pessoa idosa é mais difícil.

“Quando vem uma pessoa idosa aqui pela primeira vez, com 70, 80 anos, para eu mudar a alimentação dela é difícil. Uma pessoa que nunca praticou um esporte, nunca nadou ou fez uma hidroginástica eu vou ter uma dificuldade muito grande de implantar isso nela, de mudar uma dieta. Ela fala: ‘Eu me alimento assim há 70 anos, como é que eu vou mudar agora’? Então, se eu conseguir fazer isso aos 40 anos, é lógico que ele vai chegar aos 70 anos muito mais saudável. Por isso, essa parte preventiva é muito importante, a procura ao médico, não necessariamente um geriatra, mas, cuidar da saúde num geral”.

Dra. Ylmara também comentou que a prevenção, além de proporcionar um envelhecimento saudável, ela também proporciona disposição para que a pessoa idosa possa ter uma vida normal, praticando um hobby ou fazendo coisas novas.

“Muitos pensam que quando aposenta vai ficar na frente da televisão e vai parar sua vida, mas, não é porque você parou de trabalhar que você tem que parar tudo. Você pode buscar aprender outras coisas, aprender música, aprender uma nova língua, fazer hidroginástica, uma caminhada, fazer dança que é uma das melhores coisas para o corpo, a alma e a mente. Tem vários caminhos, se a pessoa não gosta de uma coisa, existem outras para fazer”.

 

“Aqui no consultório eu não atendo homens sozinhos, sempre eles vêm pela família [...]. A mulher normalmente já toma a iniciativa de vir de forma preventiva e busca se cuidar” – Dra. Ylmara Chicri

Quanto ao cuidado com a saúde para evitar as doenças, Dra. Ylmara comentou que normalmente as mulheres sempre buscam se cuidar de forma preventiva, porém, os homens muitas vezes vão ao médico só de extrema necessidade, e é por este motivo que a expectativa de vida do homem é menor que o da mulher.

“Aqui no consultório eu não atendo homens sozinhos, sempre eles vêm pela família, a família traz meio que a força. A mulher normalmente já toma a iniciativa de vir de forma preventiva e busca se cuidar. E muitas das vezes esse é o motivo de a expectativa de vida do homem ser de 76 anos e da mulher 84 anos, são oito anos a mais de expectativa de vida que a mulher tem, pois ela sempre busca ter esse cuidado”.

Ela explicou que isso acontece por uma questão cultural, pois, as mulheres começam a se cuidar desde a adolescência, buscando ir no ginecologista e tendo sempre ações preventivas e isso é algo que não é ensinado aos homens. “Isso deveria ser ensinado ao homem também desde o início, porque quando os homens vêm eles já chegam com alguma queixa, eles não vêm de forma preventiva”.

 

“Devemos inserir esta pessoa idosa na família e inserir em um todo. Isso não vai fazer bem só para ele, mas para a família toda” – Ylmara Chicri  

Dra. Ylmara também comentou sobre a importância do cuidado e apoio familiar a pessoa idosa, seja para levar ao médico, seja durante o momento da doença ou nas tarefas do dia a dia.

“O acolhimento envolve um todo, não adianta o filho vir aqui na consulta, a gente fazer as orientações e em casa não seguir. Pois, muitas das vezes não é a pessoa idosa quem prepara a comida, alguns são acamados e dependem da família para tudo, então o envolvimento da família é essencial”.

A família também deve ser a responsável no cuidado da casa, pois em certa fase da vida e dependendo do estágio em que o paciente está é necessário colocar na casa as barras nos banheiros, no corredor, melhorar a luminosidade da casa e retirar os tapetes para proporcionar mais segurança para a pessoa idosa. 

 

Alimentação

Outra ação importante que também envolve o apoio familiar é o cuidado com a alimentação da pessoa idosa. Segundo Dra. Ylmara, a melhor forma de introduzir uma dieta saudável e adequada na vida do idoso é fazendo a implantação desta mesma dieta na alimentação de toda família, o que consequentemente vai contribuir para que todos tenham uma vida mais saudável.

“Às vezes a gente tem uma pessoa que é diabética na família, então porque toda família já não aproveita para ter uma alimentação mais saudável, para acompanhar a outra pessoa? Imagina ter que fazer comida separada porque o pai ou minha mãe é diabética? Por que a família toda não pode buscar se alimentar saudavelmente? Muitas vezes o filho está naquela faze dos 50 ou 60 anos e é ele quem cuida do pai de 80, ele também já deveria estar mudando sua saúde, então é uma forma para a família inteira ser saudável. Porque se a família inteira for saudável, vai ser fácil cuidar da saúde da pessoa idosa”.

 

Principais doenças que afetam a pessoa idosa

Também perguntamos a Dra. Ylmara, quais são as principais doenças que afetam atualmente a pessoa idosa. Ela explicou que tem as doenças que surgem com a idade, a exemplo do Alzheimer e o Parkinson e tem as doenças que são adquiridas e são mais comuns devido o envelhecimento dos órgãos.

“Tem a pressão alta, a hipertensão arterial, a diabetes tipo I que surge na infância ou adolescência quando o organismo para de produzir a insulina e a diabetes tio II que é adquirida. E é aí que entra a medicina preventiva, pois se você tiver uma alimentação saudável e praticar exercícios físicos, você não vai adquirir essas doenças”. 

A Artrite e Artrose também são doenças que acometem a pessoa idosa, porém, se a pessoa busca se alimentar bem e pratica atividades físicas, ela poderá prorrogar o aparecimento dessas doenças.

“Então isso tudo pode ser prevenido. Pode ser que em uma hora da vida a doença chegue, porém, hoje em dia essas doenças têm chegado em pessoas mais jovens. Nós já vemos muitas pessoas de 30 anos com diabete que é adquirida por uma má alimentação ou com pressão alta, e se a pessoa adquire essas doenças com 30 anos ela vai ter um envelhecimento com muito mais doenças e tomando muito mais remédios”.

 

Covid-19

Dra. Ylmara também chamou a atenção para uma doença que as pessoas deixaram de dar atenção, que é a covid-19. Segundo ela, tanto as pessoas idosas que pegaram e as que não pegaram a doença continuam sendo afetadas por ela.

“Nós temos que pensar: ‘como que as pessoas idosas estão pós Covid’? Teve um isolamento muito grande da pessoa idosa e foi preciso ter esse isolamento, e hoje nós estamos tendo uma fobia social muito grande e uma depressão da pessoa idosa. Eles ficaram muito sozinhos, os filhos ficaram com medo de ir em casa, pois eles trabalhavam fora, então teve o isolamento da família, muitas vezes por querer proteger o idoso para não pegar a doença”.

Devido a isso, a pessoa idosa está tendo muita depressão, perda de memória, aumento no índice de infarto e derrame, pois, o Covid também é um processo inflamatório. Também tem muitos casos onde o Covid acelerou o desenvolvimento de outras doenças: “Algumas doenças aceleraram para quem teve covid, às vezes estava vindo lentamente e após o covid a doença teve uma progressão rápida, às vezes a pessoa estava no início do Alzheimer com esquecimentos bem leves, teve covid e teve uma piora rápida”.

Segundo Dra. Ylmara, foi um momento muito difícil para as pessoas idosas, muitas perderam filhos e viram outras pessoas idosas pegarem a doença e morrerem, tudo isso contribuiu para que ficassem com medo e muitos ainda estão assim. Devido a isso, é importante que a família esteja mais presente na vida a pessoa idosa, cuidado e observando se ela foi afetada de alguma

 

“Quando estamos jovens nós temos que pensar que nós iremos envelhecer e como nós queremos ser cuidados no futuro?” – Dra. Ylmara Chicri

Ao final da entrevista, perguntamos se ela acha que a pessoa idosa precisa ser mais bem cuidada e valorizada pela família e pela sociedade. Em resposta ela disse que: “A gente tem que pensar que nada para o tempo e os efeitos do tempo, então por que não envelhecer bem? Quando estamos jovens nós temos que pensar que nós iremos envelhecer e como nós queremos ser cuidados no futuro? Eu acho que esse é o jeito que nós devemos cuidar das pessoas mais idosas. Como que nós vamos querer o nosso futuro? A forma que a gente cuida dos nossos pais, nós estaremos ensinando aos nossos filhos como eles devem cuidar da gente, então é um reflexo, nossas ações vão refletir a forma em que seremos cuidados no futuro”.

VEJA TAMBÉM