• 11/08/2022
04 Julho 2022 às 11h32
Atualizada em 04/07/2022 às 13h02

Chico Xavier – 20 anos depois da “partida”.

Há 20 anos, no dia 30 de junho de 2002 desencarnava Chico Xavier, aos 92 anos de idade.

 

Nesse período de tempo ocorreram várias repercussões relacionadas com a vida e obra do médium. Há muitas homenagens e reconhecimentos significativos, mas é cabível a análise sobre como a experiência de vida e a profícua obra psicográfica de Chico Xavier vem sendo valorizados no ambiente do movimento espírita.

 

Com esse propósito, escolhemos as cinco palavras-chave que o caracterizam e que foram utilizadas durante as comemorações de seu Centenário de nascimento: espírito, saber, fé, caridade e amor. Destacamos como estudioso de sua obra e o testemunho dos inúmeros contatos pessoais que tivemos com o médium. Essas palavras estão presentes no conteúdo dos livros e se concretizaram em ações durante a vida de Chico Xavier. Portanto, são fontes de inspiração e de roteiro para nossas trajetórias de vida.

 

A vertente simbolizada por “espírito” é a marca registrada das ações do missionário que atuou como intermediário de entidades desencarnadas durante toda sua vida. Além dos fatos sobre identidade de espíritos registrados em livros; inúmeras pessoas ao visitarem o médium, ficaram surpresas e convencidas com informações sobre entidades desencarnadas com elas relacionadas.

 

Em função dessa continuada interexistência entre as dimensões espirituais e do mundo corporal, brotou uma sabedoria diferente com a atuação de Chico Xavier. Isso porque o seu saber não era fruto do estudo formal e muito menos acadêmico, porque ele apenas completou o ciclo das então chamadas quatro séries primárias. Nas manifestações psicográficas e psicofônicas, em diálogos e entrevistas públicas, surgiam apreciações em diversos estilos – poemas, romances, contos e dissertações; focalizando temas variados e profundos do conhecimento humano. 

 

Em autênticas situações de testes ele sempre demonstrou confiança, fé e a busca pelo caminho do bem. Indiscutivelmente era um autêntico homem de fé! E seus conselhos e os livros mediúnicos representam um rico repositório de valorização da fé. 

 

Desde os tempos de sua juventude em Pedro Leopoldo até o final da existência física em Uberaba, a caridade foi uma prática persistente de Chico Xavier. As chamadas peregrinações eram a materialização da caridade material e espiritual. Além disso, no silêncio de muitas noites Chico visitava lares necessitados. 

 

Praticamente coroando o vasto significado das palavras-chaves que já destacamos, surge a quinta: amor. A essa altura lembramos da palavra grega “ágape” que significa amor que se doa, amor incondicional e o amor que se entrega. Exatamente isso que caracterizou a vida longa e profícua de Chico Xavier. Ele operacionalizou o amor com a prática da caridade, a vivência da fé, empregando a valorização do saber espiritual e a certeza inconteste da vida imortal. 

 

Antônio César Perri de Carvalho

 

Centro Espírita Bezerra de Menezes

Rua Olegário Rabelo, nº 455, Bairro Brasília, Arcos/MG

Reuniões públicas às terças-feiras às 20hs e às quintas-feiras às 19:30hs.

Aos sábados, Evangelização infantil e Escola de pais às 09:30hs; às 18:30hs, Mocidade espírita.

 

*Artigo publicado no jornal “Folha da Região”, de Araçatuba, 29/06/2022, p.2.

*Síntese de artigo do autor publicado na Revista Internacional de Espiritismo, junho de 2022.

*Grifos nossos.

Fonte da imagem: Disponível em http://teledramaturgia.com.br/chico-xavier// Acesso em 03/07/2022.

 

 

 

Colunista
CENTRO ESPÍRITA BEZERRA DE MENEZES

Rua Olegário Rabelo, nº 455, Bairro Brasília, Arcos/MG

VEJA TAMBÉM

Alegria x Felicidade

13h26 08 Agosto 2022