Notícia

Arcos 16 Junho 2020 Por Ricardo de Carvalho

Outubro incerto


Compartilhe:

Foto: Ricardo de Carvalho

O que mais se questiona pelas rodas de conversa, ou até mesmo na internet, é se teremos o ‘pleito eleitoral’ neste ano de 2020.

 

O ministro do Supremo Tribunal Federal e atual presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luis Roberto Barroso descartou prorrogar mandatos e adiar eleição para 2022. Ele afirma que a disputa eleitoral de outubro deste ano só deve ser adiada por causa do coronavírus se houver risco à saúde pública e por prazo mínimo.

 

Mas, pelo jeito que a carruagem anda, com ondas de infecção de Covid-19 chegando das capitais para o interior, o futuro é muito incerto.

 

Em Arcos, os 17 partidos políticos com situação de vigência são:

 

PDT, Cidadania, DEM, PSB, PROS, Patriota (estes - pelo que parece - alinhados ao grupo político do atual prefeito de Arcos, Denilson Francisco Teixeira); 

 

Avante, PP, PL, PTB, PTC e Podemos (estes - pelo que parece - alinhados ao grupo político do ex-prefeito Claudenir José de Melo); 

 

MDB e PSDB (estes - pelo que tudo indica - alinhados ao grupo do ex-vice-prefeito Wellington Roque);

 

DC (pelo que parece – em separado - e que tem como presidente Helder Ribeiro dos Santos);

 

Republicanos (em separado, e que tem como presidente da legenda, o vereador Rodrigo Pfister de Carvalho, também atual presidente do legislativo arcoense);

 

PT (pelo que parece – em separado - e que é o único partido arcoense com Comissão Definitiva, ou seja, um Diretório formado e consolidado).

 

Mas, essas configurações mudam como nuvem. E todos, supostamente aguardam as determinações do calendário eleitoral brasileiro para definirem qualquer coisa mais concreta. O resto fica por conta da especulação. E olha que são muitas especulações!

 

Vale lembrar que o começo do mês de abril marcou o encerramento de alguns prazos, previstos na Resolução TSE nº 23.606/2019, como os que tratam da janela para trocas partidárias, do registro de estatuto de partidos e da renúncia de políticos que pretendam disputar outros cargos nas eleições deste ano.

 

O dia 4 de abril, foi a data-limite para que novas legendas que pretendessem participar das eleições tivessem seus estatutos registrados no TSE. No mesmo dia, expirou o tempo dos partidos políticos para aprovar a filiação de seus candidatos, que, por sua vez, já deveriam ter domicílio eleitoral na circunscrição em que desejam disputar o pleito de um outubro incerto.

 

Ricardo de Carvalho

Colunista do Portal Arcos


Ricardo Batista de Carvalho

Professor e pós-graduando em Jornalismo

Colunista de assuntos políticos

 

COMENTÁRIOS

Veja outras notícias