• 25/05/2024
01 Abril 2024 às 10h55

Desistir de viver: nós podemos?

Sempre me intrigou aquele episódio em que se coloca fogo em torno de um escorpião e ele comete suicídio. A intuição apontava-me que um animal jamais exterminaria a própria vida. Pesquisei e minhas suspeitas se confirmaram: não há nenhum bicho que dá cabo de sua  própria vida!

O que ocorre é que, quando o escorpião é acuado num círculo de fogo, parece lançar o ferrão sobre o corpo, num aparente suicídio. Mas não é isso que ocorre. O bichinho fica agitado com a alta temperatura ao seu redor e perde o controle de sua cauda, dando a impressão de que está tentando se matar, enquanto morre de desidratação por causa do calor, como explicado por César Ades, etólogo (estudioso do comportamento animal), da Usp (Universidade Paulista): “Essas crenças não têm nenhum fundamento. A evolução costuma selecionar organismos que tenham mecanismo de sobrevivência individual, não mecanismos de interrupção da vida”(1).

Dessa forma, o autoextermínio intencional não faz sentido entre os animais irracionais, mas seria, sim, infelizmente, uma prerrogativa do animal homem, o ser humano. A racionalidade de que dispomos, nos torna capazes de prever e de precipitar nossa morte.

No entanto, a experiência aponta-nos que o ser humano ao pensar em acabar com a própria vida, na verdade, NÃO DESEJA MORRER. Ele deseja apenas SAIR DE CENA, pensando que, desta forma, acabará com o sofrimento que lhe açoita o espírito. Isto, porque, desejar a morte é contra o nosso instinto de conservação, automatismo que faz parte da lei natural, a lei divina. Na verdade, ninguém quer morrer! Simplesmente, a pessoa está se sentindo sobrecarregada, aflita, carente, sem norte.

Se você, às vezes, pensa em sair de cena, pense na palavra VIDA. Não existe nenhum vocábulo contrário para VIDA. VIDA é sempre VIDA, estejamos encarnados ou desencarnados. O Espiritismo nos ensina que a vida é eterna, pois nós somos Espíritos imortais, estamos caminhando numa marcha que não tem volta. Sempre para frente e para cima.

“Eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância”, o Cristo(2) nos diz. Peça ajuda quando estiver desconsolado. Procure o sentido da sua vida, faça o bem, trabalhe em uma causa para ajudar o próximo. Saia do seu círculo doentio e procure ajudar os desconsolados ao seu redor. É a isso que Jesus nos estimula: desenvolver o AMOR que já existe dentro de nós, mas está dormitando. Assim, buscando primeiramente o Reino de Deus, o resto nos será acrescentado por merecimento(3).

Amigos leitores, é tão belo ver o princípio espiritual, ainda em seus primórdios, lutando para manter a vida física, obedecendo singelamente à Lei de Deus(4), enquanto nós, Espíritos já em fase adiantada da vida espiritual, muitas vezes desperdiçamos as divinas oportunidades de crescimento que uma encarnação nos oferece.

Pense bem, amigo, tal como está na famosa Parábola de Jesus, não enterre esse grande talento(5) que é a vida física. Um bem foi-nos emprestado pelo Criador para progredirmos e cada vez mais nos aproximarmos Dele em inteligência, amor e sabedoria!

 

Abraços fraternais e muita paz a todos!!

 

Ana Dulce Pamplona Frade

[email protected]

Centro Espírita Bezerra de Menezes

Rua Olegário Rabelo, nº 455, Bairro Brasília, Arcos/MG

Reuniões Públicas às terças feiras às 20hs e às quintas feiras às 19:30hs.

Aos sábados: Evangelização infantil e Escola de pais às 09:30hs; às 17h Campanha do Quilo           e às 18:30hs Mocidade espírita.

Referências:

(1) https://super.abril.com.br/mundo-estranho/os-bichos-cometem-suicidio/

(2) João, 10:10

(3) Mateus, 6:33

(4) Kardec, A. O Livro dos Espíritos. Terceira Parte. Cap. 1. Questões 614 a 621. Ed. FEB

(5) Mateus, 25:14-3

 Fonte da imagem: Disponível em https://pixabay.com/pt/photos/ajudando-maos-esclando-         resgate-4661809/    

Colunista
CENTRO ESPÍRITA BEZERRA DE MENEZES

Rua Olegário Rabelo, nº 455, Bairro Brasília, Arcos/MG

VEJA TAMBÉM