• 21/04/2024
26 Fevereiro 2024 às 09h35

Conhecendo a história da pomada Vovô Pedro

Bastante conhecida no meio espírita, a pomada Vovô Pedro possui inúmeros benefícios. Se você ainda não conhece e ficou curioso, te convido a conhecer a história de como surgiu essa fórmula que vem auxiliando muitas pessoas a tratarem algumas enfermidades.

Essa história foi contada pelo jornal Sementes de Luz (1), em um dos seus folhetos, publicado no Correio Fraterno do ABC, nº 368 de setembro de 2001:

O Centro Espírita Campos Vergal, da Colônia de Hansenianos Santa Izabel, em Betim, na Grande Belo Horizonte, regurgitava de internos. Seu diretor, o Pipoca, como todos o chamavam, extraordinário Espírito, espírita, não cabia em si de contentamento. Afinal, não se tinha notícia do lançamento de um livro em uma colônia de hansenianos, muito menos no Centro Espírita de uma delas.

À frente, sucediam-se os oradores, ressaltando a importância do fato. À mesa, ao lado do Pipoca, de cenho fechado, o médium João Nunes Maia e uma pilha do livro Além do Ódio(1), um romance que lhe fora ditado pelo Espírito Sinhozinho Cardoso, cujo enredo se baseia em episódio da época da escravatura.

Nunes Maia ali estava a pedido do Espírito Niquinha, personagem do romance que, na trama, desencarna ali em virtude do mal de Hansen e que lhe pediu que fizesse o lançamento ali, por ocasião de um desdobramento do médium. João Nunes Maia estava visivelmente preocupado. Dois eram os motivos de sua preocupação. O primeiro porque jamais teria coragem de cobrar os 105 livros que levara para o lançamento, o segundo era que estava precisando do dinheiro para pagar a edição e providenciar a edição de outros livros que reclamavam divulgação, já prontos para entrar no prelo. Além disso, via à sua frente mais de quatrocentos irmãos hansenianos. Como resolver esse problema, se levara apenas 105 livros?

Pipoca, certamente acionado por algum amigo espiritual, falou-lhe ao ouvido. Não se preocupe! Conheço todos que aqui estão. Dê apenas um livro a cada família! Que alívio. Foi como se uma aragem fresca inundasse os pulmões do médium. "Como não pensei nisto?". Voltou-se, emocionado, para o Pipoca, e apertou-lhe significativamente o braço esquálido e já macerado pela insidiosa enfermidade, que, contudo, recebera a manifestação de carinho como benção do Mais Alto.

Finda a reunião, Pipoca informou aos presentes o sistema a ser adotado para a doação e o autógrafo nos livros. Organizasse a fila, o médium subscreve dedicatória. A pilha de livros vai baixando... Nunes enruga de novo a testa. Mas – oh Bondade Divina! –, ao subscrever o último volume que levara, a fila já não existia. A matemática do Alto funcionou. Levara 105 volumes do seu romance Além do Ódio e 105 eram as famílias que estavam presentes no evento.

Pipoca sorria ao seu lado: o belo sorriso dos justos, dos bons. Nunes enlaçou-o num abraço cheio de vibrações, que também envolvia os demais. Seus olhos, mesmo inundados de lágrimas, visualizaram o Espírito Niquinha, envolto em luz etérea, a sorrir-lhe agradecida.

Parecia que, com o episódio da doação dos livros, a cota de emoção espiritual do dia estava esgotada. Ledo engano.

No palco do Centro Espírita Campos Vergal, conversavam animados Nunes Maia, Pipoca e outros confrades prestes a despedirem-se também.

Ao volver o olhar para o salão, João Nunes Maia registrou indescritível espetáculo espiritual. Pelos lados do auditório do Centro Espírita, à direita e à esquerda, adentravam Espíritos de escravos, envergando roupas próprias da época da escravatura, época essa tão bem descrita no livro que acabara de doar. Pelo centro do salão vinham adentrando Sinhozinho Cardoso, autor do livro, Niquinha e outros personagens da obra, que seguiam o Espírito Miramez, que se postava à frente, ladeado por um outro Espírito, que não era do conhecimento do médium. O desconhecido trajava um casaco comprido e sua postura denotava grande elegância e envergadura moral. Novamente, o salão do Campos Vergal estava lotado, agora, porém, por desencarnados. Enquanto todos procuravam um lugar para sentar, Miramez e o Espírito de casaco longo se aproximaram de Nunes Maia e o desconhecido disse:

— Aqui estou para desincumbir-me de compromisso secular com Jesus, o Cristo, e com Deus, Nosso Pai Maior. Peço-lhe que anote uma receita que vou ditar-lhe e que irá aliviar ou mesmo eliminar os males de tantos e tantos, como este – indicando o Pipoca e outros internos da Santa Izabel e de um sem número de outras enfermidades, principalmente da pele.

Nunes Maia, um tanto aturdido, recolhe do chão uma folha de papel, que havia servido para embrulhar um pacote do livro Além do Ódio, e a um canto se põe a anotar, emocionado, os ingredientes da receita. Ao fim do ditado, aguarda a identificação do Espírito, de tão elevada envergadura, quando da assinatura da receita. Com uma fisionomia insondável conquanto alegre, ele diz, simplesmente: Vovô Pedro.

Ante a surpresa estampada no rosto do médium, o Espírito aduz:

— É preferível que as coisas simples tenham nomes simples. Uma observação, porém: o preço deste medicamento deverá ser um e apenas um – "DEUS LHE PAGUE".

Cumprimentando-o à maneira da época de sua última encarnação, o Espírito, nimbado de luz, despede-se e se volta para retirar-se. Miramez dirige ao médium significativo olhar e, lentamente, todos os Espíritos se retiram do salão, logo após.

Com o precioso papel na mão, novamente envolto em elevadas vibrações, Nunes Maia se aproxima do grupo em animada conversa. Antes, porém, rebusca a memória, procurando a identidade daquele Espírito tão agradável quanto elevado. Lembra-se, finalmente: "Mesmer!" Aquele Espírito era Mesmer(2), o extraordinário advogado, teólogo, doutor em Filosofia e Medicina que assombrara o mundo com as curas através do que chamou magnetismo animal, ao fim do século XVIII. Era Mesmer que também está citado no livro Além do Ódio e que encontrou naquele abençoado dia a vibração propícia para ditar-lhe a receita da hoje afamada Pomada do Vovô Pedro, que tanto bem vem semeando no Brasil e além fronteira pelo preço combinado: "Deus lhe pague".

João Nunes saiu em busca das plantas. Com o passar dos dias, sentindo e ouvindo os Espíritos atentamente, encontrou uma a uma as ervas indicadas, inserindo-as em garrafas, juntamente com as poções acertadas de álcool e água destilada, e preparou numa panela de pressão o unguento sagrado. Era a bênção divina em forma de pomada, portadora do princípio único, que tem o poder de harmonizar onde for aplicada.

Saindo à rua, ofereceu a pomada aos doentes e as feridas fecharam-se. Procurou os hansenianos e as chagas curaram-se. As dores das feridas em febre extinguiram-se.

A produção da pomada acontece até os dias de hoje, em diferentes regiões do Brasil por Casas Espíritas, sem nenhum custo para quem deseja adquirir. Em Minas Gerais segundo o SEMAN (Sociedade Espírita Maria Nunes) contamos com os seguintes pontos de distribuição: Sociedade Espírita Maria Nunes (Belo Horizonte), Centro Espírita A Caminho da Luz (Araguari), Núcleo Espírita Labor e Fé (Araxá), Grupo Espírita Vovó Pedro (Coronel Fabriciano), Sociedade Espírita Maria de Nazaré (Betim) e Casa do Pão n°12 (Santa Luzia). Todos esses grupos citados acima ainda seguem a fórmula recebida pelo médium João Nunes Maia e recebem os extratos de plantas medicinais produzidas gratuitamente pela Sociedade Espírita Maria Nunes.

Finalizo com as palavras ditas por nosso saudoso Chico Xavier em uma das cartas enviadas a João Nunes Maia:

Louvemos a Jesus e a seus mensageiros por havermos obtido, por suas mãos de obreiro do Bem, esse socorro dos céus... As curas que tenho visto são as mais surpreendentes... Envio a você e a nossos irmãos do Maria Nunes as alegrias e agradecimentos, as preces de louvor e os pedidos de bênção em sinal de gratidão que constantemente vejo brilhar em tantas faces, das quais a Pomada Vovô Pedro enxugou as lágrimas e as preocupações. Louvado seja Deus!

Caro leitor, desejo a você uma excelente semana!

Luz e Paz!

Vanessa Rosa

([email protected])

Centro Espírita Bezerra de Menezes

Rua Olegário Rabelo, nº 455, Bairro Brasília, Arcos/MG

Reuniões Públicas às terças feiras às 20hs e às quintas feiras às 19:30hs.

Aos sábados: Evangelização infantil e Escola de pais às 09:30hs; às 17h Campanha do Quilo    e às 18:30hs Mocidade espírita.

 

Referências:

1 Jornal Sementes de Luz, publicado no Correio Fraterno do ABC Nº 368 de Setembro de         2001.

https://www.saberemudar.com.br/index.php?q=pomadavovopedro Acessado em           21/02/2024.

http://www.espirito.org.br/portal/artigos/correio-fraterno/como-surgiu-a-pomada.html Acessado em             21/02/2024.

https://marianunes.org.br/pomada-vovo-pedro/postos-de-distribuicao/ Acessado em                  21/02/2024.

http://www.saberemudar.com.br/index.php?q=pomadavovopedro Acessado em 21/02/2024.

Fonte da imagem: Disponível em https://pixabay.com/pt/photos/bem-estar-lulur-po-po-lulur-       spa-185168/    

Colunista
CENTRO ESPÍRITA BEZERRA DE MENEZES

Rua Olegário Rabelo, nº 455, Bairro Brasília, Arcos/MG

VEJA TAMBÉM

Oito dos nove vereadores mudam de partido antes das eleições municipais

Com o fim da janela partidária, aberta entre os dias 7 de março e 5 de abril deste ano, oito dos nove vereadores de Arcos trocaram de partido político. A única exceção é a vereadora Kátia Mateus, que se mantém no PL.

15h36 18 Abril 2024