Notícia

Arcos 30 Julho 2020 Por ASSCOM

COLMEIA ARCOS DÁ INÍCIO A 2ª ETAPA DO PRÓ-MANANCIAIS

Serão 3.348 metros de cercamento de vegetação, que beneficia matas ciliares, nascentes e minas d’água


Compartilhe:

   O esforço em realizar ações para preservar os recursos hídricos, em Arcos, nas bacias hidrográficas de captação de água para a comunidade arcoense, está cada vez mais fortalecido. Isto tudo, graças as ações do Programa Pró-Mananciais, implementado em 2018 pela Copasa, por intermédio do Coletivo Local de Meio Ambiente (COLMEIA), que envolve diretamente a Secretaria Municipal de Meio Ambiente. Em 2018/2019 foi concretizado a Etapa I, no Córrego do Tchá Tchá, com cercamento de vegetação nativa e nascentes, construção de bacias de captação (barraginhas), terraço em nível, adequação de estradas, plantios de mudas nativas e dias de campo sobre meio ambiente e fossas sépticas biodigestoras.

 

   Na última terça-feira, 28, teve início as obras da Etapa II, onde foram apresentadas em uma reunião, no Dia de Campo, as ações promovidas pelo COLMEIA, na bacia hidrográfica do Ribeirão Barreiro, em Arcos. Os objetivos consistem em atualizar as metas para 2020/2021, além de conferir os materiais que já chegaram (postes, esticadores, arame farpado) e obras já iniciadas de cercamento de 3.378 metros de vegetação ciliar e nascentes, principalmente na realização do perfil fotográfico da bacia hidrográfica do local.

 

   Participaram da reunião, o prefeito de Arcos, Denilson Teixeira; o secretário de Meio Ambiente e Agricultura, Miller Fernandes; o agrônomo da EMATER-MG, Zenaido Fonseca; Irani Muniz Leão, também da EMATER-MG; a presidente do Rotary Clube de Arcos, Heloisa de Fátima Melo Barbosa; representantes das seguintes entidades - Caritas, Diocese de Luz, Paróquia Nª Sª do Rosário, Solar Brasil e COPASA. Outras entidades que compõem o Colmeia: IEF - Instituto Estadual de Florestas, Lions Clube, Sindicatos, Loja Maçônica e outros.

 

   Denilson Teixeira falou da importância do projeto e do impacto na recuperação ambiental. “Nessa missão, de melhorar a quantidade e a qualidade da água, conseguimos em pouco espaço de tempo ver os resultados. Hoje, já estamos colhendo os frutos dessa iniciativa. Ações como recuperação de matas ciliares, preservação de minas e nascentes. Outras medidas responsáveis também nos propiciaram resultados positivos em relação a preservação ambiental no município”, disse.

 

   O agrônomo da EMATER-Arcos e coordenador do COLMEIA, Zenaido Lima da Fonseca, explicou sobre o perfil das propriedades previamente cadastradas no programa nas etapas I e II. Ele ainda ressaltou sobre a satisfação da empreiteira AMOPEB ter contratado mão de obra local, para A realização do cercamento, que ficou a cargo do jovem rural e agricultor familiar, Paulo Henrique, e seu pai, Roberto Francisco da Silva (Índio). “O nosso foco é proteger e recuperar as micro-bacias hidrográficas e as áreas de recarga dos aquíferos. A construção das cercas impede a entrada do gado e de outros animais pesados nas nascentes e cursos d’águas. Isso evita a compactação do solo, que obstrui o afloramento da água, processos erosivos e a destruição da vegetação nativa”, afirma.

COMENTÁRIOS

Veja outras notícias