Notícia

Disfunção temporomandibular (DTM)


Compartilhe:

         A articulação temporomandibular é aquela que se localiza na face, exatamente no ponto em que o maxilar inferior se liga ao crânio - é a articulação da mastigação, do comer, do falar. Ela abre e fecha a boca, daí trabalhar mesmo quando dormimos, pois durante o sono se está sempre deglutindo ou apertando os dentes. É simplesmente também chamada de ATM. Não raramente é ali que boa parte da população descarrega as tensões cotidianas.

 

    Quando não cumpre bem o seu papel articular, aparece o que se denomina “Disfunção Temporomandibular” (DTM). Com esta anormalidade surgem uma série de sintomas: dor de cabeça, dor no pescoço, dor ou zumbido no ouvido, que frequentemente levam à alteração do sono.

 

    A DTM acomete cerca de 40% da população mundial, de acordo com as estatísticas médicas. Sua forma de dor difusa afeta os tecidos da cabeça, face, do pescoço e de estruturas da cavidade oral. A multiplicidade de regiões envolvidas a faz objeto de estudos das mais diversas especialidades: traumatologia, otorrinolaringologia, neurologia, fisioterapia, odontologia, odontopediatria, cirurgia bucomaxilofacial, ortodontia, etc.

 

        Com o estresse da vida atual as queixas têm início cada vez mais cedo. Por isso, a manifestação entre jovens tem crescido consideravelmente. Acomete as mulheres em 80% dos casos. Embora um grande número de indivíduos padeça desse mal, estima-se que apenas 5 - 6% procurem um profissional de saúde para tratamento.

 

       Há que se considerar também, a excessiva contração dos músculos mastigatórios em decorrência de estresse, apertamento dental, mordida irregular e bruxismo, além de hábitos como mascar chiclete e fumar cachimbo. A dor é como um alarme: sinaliza que alguma providência deve ser tomada.

 

       As principais explicações para essa preferência pelo “sexo frágil” são: fatores hormonais, fisiológicos, como a fragilidade dos ligamentos femininos em comparação aos masculinos, e alterações no estilo de vida: o grande estresse vivido pela mulher nas últimas décadas, pelo fato de competir com o homem no mercado de trabalho e muitas vezes ainda arcar com as tarefas domésticas e a responsabilidade dos filhos.

 

  Diversos sintomas podem incomodar quem sofre de DTM. Os sinais e sintomas mais comuns são:

            - dor localizada ou difusa nas redondezas da orelha, que pode se irradiar para dentes, mandíbula, cabeça ou pescoço;

            - dor no maxilar ao mastigar ou bocejar;

            - dor de cabeça ao acordar;

            - cliks ou estalidos ao abrir e fechar a boca;

            - zumbido no ouvido;

            - hábito de ranger ou apertar os dentes;

            - músculos mastigatórios contraídos ao acordar;

            - dificuldade em abrir completamente a boca ou travamento da mandíbula para deglutir;

            - deslocamento da mandíbula, impedindo de fechar a boca;

            - dificuldade para dormir e sensação de acordar cansado.

 

            Sem dúvida, o sintoma mais importante é a dor orofacial. O exemplo clássico dessa dor, que afeta os tecidos da face, pescoço e estruturas da cavidade oral, é a dor de dente.

 

            Mudanças no estilo de vida e certos cuidados podem aliviar as dores de DTM. Algumas delas são:

            - aplicação de calor no local da dor contribui para relaxar os músculos;

            - descansar o maxilar inferior, evitando apertar os dentes e conservando uma boa postura. Ao manter os lábios unidos, o certo é deixar os maxilares relaxados. É importante também evitar alimentos muito duros que exijam grande esforço dos músculos da mastigação, substituindo-os por uma dieta líquida ou pastosa, durante as crises agudas.

            - Sugere-se a aplicação de um timer para soar várias vezes ao dia, e que possa ser carregado para qualquer lugar. A ideia é que todas as vezes que o alarme tocar, imediatamente o paciente observe como estão seus dentes, pescoço e ombros. O mais importante é, sem dúvida, o repouso articular.

 

            Algumas medidas básicas podem contribuir na prevenção da DTM:

            - evite mastigar alimentos muito duros, que exijam força excessiva de suas arcadas dentárias;

            - reduza o consumo de gomas de mascar;

            - abandone hábitos como: morder pontas de lápis ou canetas, roer as unhas, pressionar a língua contra os dentes e/ou morder a bochecha;

            - beba muita água e durma o número de horas necessário ao seu descanso;

            - mantenha a coluna ereta, especialmente se trabalha o dia inteiro na mesma posição, por exemplo, sentado diante do computador;

            - busque orientação especializada para corrigir eventuais desvios posturais;

            - aprenda técnicas de relaxamento ou descubra maneiras eficazes de administrar o estresse e reduzir a contração muscular;

            - pratique exercícios físicos regularmente, pois eles ajudam a liberar as tensões e a melhorar a postura, além de trazerem muitos outros benefícios à saúde.

 

            Quanto antes você procurar orientação especializada, maiores serão suas chances de detectar precocemente o problema e com isso evitar soluções drásticas e tardias.

 

            Finalmente, convém lembrar que existem “doentes e doentes”. Em geral, os pacientes que obtêm melhores resultados são os que desejam objetivamente resolver o problema e a partir daí envolvem-se totalmente no tratamento.

 

 

Dr. José Donizetti Vieira

Cirurgião – Dentista

CROMG: 9475

Especialista em Odontologia Restauradora e Preventiva

Rua Donato Rocha, 346 – Centro - Arcos (MG)

Fone: (37) 3351-1086


Dr. José Donizetti Vieira

Cirurgião – Dentista
CROMG: 9475
Especialista em Odontologia Restauradora e Preventiva
Rua Donato Rocha, 346 – Centro - Arcos (MG)
Fone: (37) 3351-1086

COMENTÁRIOS

Veja outras notícias