Notícia

Congados arcoenses abrem as atividades da 7ª Jornada do Patrimônio Cultural de Minas Gerais

Manifestação folclórica e religiosa é reconhecida como patrimônio imaterial do Estado


Compartilhe:

Foto: ASSCOM

Ao som de toadas em homenagem à Nossa Senhora do Rosário, os ternos de congados de Arcos ‘Congo Sereno’ e os ‘Filhos de Jorge’ abriram, no domingo (25), as atividades da 7ª Jornada do Patrimônio Cultural de Minas Gerais. Após à missa, na Paróquia Nossa Senhora do Rosário, desfilaram em cortejo pelas ruas do bairro São José.

 

O evento é uma realização do IPHA (Instituto do Patrimônio Histórico e Artísitico Nacional) e da Secretaria de Estado da Cultura e Turismo, em parceria com o Governo de Arcos, por meio da Secretaria de Cultura, Esporte, Lazer e Turismo (SEMCELT). Nesta edição, o objetivo é oferecer a oportunidade de usufruir dos bens patrimoniais, por meio da gastronomia típica das comunidades. Estão incluídos também registros de artistas e fotógrafos, assim como outras manifestações artísticas, que tenham como tema ou produzidas com um olhar sobre os bens protegidos, sejam eles de natureza material ou imaterial. 

 

Feira Gastronômica e Cultural

Na próxima quarta-feira (28) o circuito da 7ª Jornada do Patrimônio Cultural de Minas Gerais irá realizar, na Praça de Eventos ‘Joaquim Verdureiro’, a partir de 18h, a feira de Gastronomia/Cultural, que vai contar com uma programação musical, além e de cardápios de comidas típicas de nossas cidade e região.

 

Jornada do Patrimônio Cultural de Minas Gerais

Criada em 2009, a Jornada do Patrimônio Cultural de Minas Gerais se inspirou na experiência francesa das Journées du Patrimoine. Partindo da premissa de que as ações de promoção e divulgação do patrimônio cultural são de fundamental importância para tornar mais efetiva a participação social e a gestão compartilhada das políticas de preservação do patrimônio cultural em nosso país, a iniciativa constituiu-se em uma experiência concreta e rica em possibilidades, capaz de reforçar a ideia de que as ações de proteção ao patrimônio cultural não são prerrogativas apenas dos órgãos públicos, e que elas devem caminhar sempre na direção de um aprendizado coletivo, da valorização da diversidade cultural e de modo a contribuir para a criação de redes de circulação da produção cultural.

 

Valorização da Cultura em Arcos

O secretário da SEMCELT Sérgio Garibaldi destaca que o Governo de Arcos vem cada vez mais tomando iniciativas de valorização da cultura local. “Estamos imbuídos na responsabilidade de elaborarmos projetos e ações que contemplem a valorização do nosso patrimônio imaterial e cultural. Uma cidade pujante tem o compromisso de estimular e preservar a sua história e manifestações culturais”. 

 

O presidente da Associação dos Congadeiros de Arcos, Donizete Antônio da Silva acredita que apoiar a cultura significa manter viva as tradições e a história. “É gratificante receber o apoio para manter viva as nossas tradições culturais. Esse ano, por exemplo, estamos felizes, principalmente por ter conseguido ampliar o formato da nossa festa do Rosário. Teremos duas rainhas ‘Grande’, duas princesas ‘Isabel’, e estamos com mais uma novidade - também iremos levantar o mastro de São Jorge, no dia 8 de setembro. Sentimos que o nosso congado está cada vez mais valorizado!”.

COMENTÁRIOS

Veja outras notícias