Centro Oeste / Arcos

Arcoense é admirador do famoso carro da Volks, que encantou gerações e se tornou ícone da indústria automobilística no Brasil

Uma paixão por fusca que jamais se ofuscará

   Paixão à primeira vista. Esse foi o sentimento que arcoense João Paulo Alves Gomes teve ao se deparar com a imagem de um dos veículos da Volkswagen mais famosos do mundo – o Fusca.

 

   Um dos símbolos da implantação da indústria automobilística no Brasil, o Fusca apareceu na vida de João Paulo ainda na infância, em forma de brinquedo, e, posteriormente, quando seu pai comprou um de verdade.

 

   Para ele, o Fusca simboliza família, amigos, infância e aventura. “Por mais revisado que esteja, ele sempre pode te surpreender. Mas o prazer de dar uma volta ou até mesmo viajar com um carro desses, não tem preço!”, revela.

 

Legenda da foto acima: O primeiro fusca de brinquedo que João Paulo ganhou quando criança. Paixão começou neste momento

 

   O Fusca pertence aos primórdios da indústria automobilística brasileira. O sucesso de vendas, claro, teve reflexos na produção. OVolkswagen Fusca foi o primeiro veículo brasileiro a alcançar a marca de 1 milhão de unidades produzidas. Até hoje, é o quarto automóvel mais fabricado no Brasil, segundo levantamento publicado pela revista AutoEsporte. Foram fabricados 3,3 milhões de Fuscas. No mundo todo, a produção foi de mais de 21,5 milhões de unidades. E João Paulo acredita que em Arcos devem existir em torno de 50 a 80 fuscas, sendo que muitos estão na zona rural, garagem ou rodando normalmente.

 

   A única coisa que incomoda o admirador arcoense é o fato de, ao longo do tempo, terem tirado a originalidade e a verdadeira essência do fusca. “Se a montadora tivesse adaptado o carro com os itens de segurança e mecânica obrigatórios, acho que ele continuaria com o sucesso de vendas. Em tempo, só não sei como ficaria a questão do airbag!? [kkkk]”, brinca.

 

   João Paulo não é muito frequentador de feiras de exposição da marca. Alega que a maioria delas é distante de Arcos, mas cita algumas cidades que promoveram suas exposições, e as quais ele conseguiu ir: Formiga, Piumhi, Vargem Bonita, São Roque de Minas, Botelhos, Belo Horizonte, Tiradentes, São João Del Rey, Divinópolis e Itaúna.

 

O Boca Quente

 

    Proprietário de um Fusca Bege, ano 1971, apelidado carinhosamente de - Boca Quente - João Paulo tem 'um luxo só' com o carro; praticamente uma parceria de muito respeito, diga-se de passagem.

 

Legenda das fotos acima: O fusca de João Paulo é carinhosamente chamado de 'Boca Quente'

 

   Com muita tristeza, João presenciou o declínio das vendas do fusca durante a década de 80. Já bastante ultrapassado, o veículo passou a perder espaço para concorrentes mais atuais. A produção chegou ao fim em 1986. Entretanto, em 1993, algo que parecia ser impossível aconteceu: o Fusca voltou a ser produzido. Permaneceu no mercado, porém, por pouco tempo, e já em 1996 voltava a sair de linha.

 

   Na virada do século, o Fusca já havia saído de linha duas vezes, mas ainda era produzido em um único país: o México. Por lá, a fabricação só foi encerrada em 2003.

 

O colecionador de besouros

 

   Interessante e curioso notar que, quase todos os ‘ditados’ sobre o Fusca são verdadeiros, inclusive o de que ‘um fusca se arruma com um pedaço de arame e um alicate’. Num geral, a história do carrinho simpático é um barato. A palavra Fusca surgiu de maneira informal: a versão mais aceita é a de ela é uma corruptela de Volks. O veículo recebeu diferentes apelidos, e alguns deles passaram a ser utilizados pela marca alemã, como Beetle, que significa besouro.

 

   João Paulo conta que a sua paixão não se resume ao seu ‘Boca Quente’. Também é colecionador de miniaturas de Fusca. Possui mais de 30 réplicas da marca, no meio das quase mil unidades de carrinhos antigos.

 

    É, com certeza, uma paixão que jamais se ofuscará!

Veja também

Portal Arcos

jornalismo@portalarcos.com.br

(37)3405-1476

, 0,

Baixe Aplicativo do Portal Arcos