Brasil / Minas Gerais

Mais de 5 milhões de beneficiários já foram atingidos por golpistas que usam as redes sociais e prometem saque do FGTS

Através de links falsos, estelionatários roubam dados do trabalhador e retiram dinheiro da conta

Foto: Jaques Diogo

Um golpe que circula no WhatsApp prometendo a possibilidade de consultar e resgatar o saldo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) já atingiu 5 milhões de beneficiários, segundo a consultoria de segurança mobile Psafe. Conforme a empresa, todos esses trabalhadores clicaram no link falso que receberam, mas nem todos tiveram os dados pessoais vazados ou os recursos retirados.

A estratégia dos cibercriminosos é disseminar, via mensagens fraudulentas, um link que supostamente possibilitaria ao usuário conferir se está apto a receber o valor de R$ 1.760. Em julho, a Polícia Federal desarticulou uma quadrilha que desviou pelo menos R$ 4 milhões de contas do FGTS, após roubar dados dos beneficiários, que preencheram cadastros em links falsos.

“O trabalhador que fez a inscrição nesses sites deve procurar a Caixa imediatamente, mesmo se não foi roubado, para alterar a senha do Cartão Cidadão e evitar, assim, que os criminosos continuem com acesso à sua conta”, orienta Mário Avelino, presidente do Fundo Devido ao Trabalhador.

Em relação a eventuais divergências em saldos na conta do FGTS, a Caixa recomenda que o trabalhador se dirija a qualquer agência do banco para efetuar a contestação do saque e do saldo remanescente. Após abertura do procedimento, o banco avalia cada caso individualmente, conforme o grau de complexidade. O prazo máximo de resposta é de até 30 dias, podendo ser concluído antes.

Caso a Caixa reconheça a contestação, os valores são estornados, sem qualquer prejuízo para o trabalhador. Para evitar cair no golpe, a Caixa orienta os trabalhadores a procurarem informações apenas nos quatro canais oficiais do banco: no site oficial, em seus perfis nas redes sociais, por meio do telefone 0800 7260207 ou pelo aplicativo.

Um dos últimos golpes dados via WhatsApp usa a “possibilidade” de receber um 14º salário. A mensagem diz que trabalhadores nascidos entre janeiro e junho, e que tenham trabalhado de carteira assinada entre 2014 e 2015, têm direito ao benefício, o que não é verdade.

Outro golpe envolve o craque Neymar. Nesse, os estelionatários prometem a possibilidade de escolher o clube em que gostariam de ver o jogador atuar e, a partir disso, ter acesso a um plano de fundo personalizado no WhatsApp. Em ambos os casos, o prejuízo é certo.

Tags Brasil

Veja também

Portal Arcos

jornalismo@portalarcos.com.br

(37)3405-1476

Av. Governador Valadares, 263, Centro

Baixe Aplicativo do Portal Arcos