Geral / Artigos

Ardência Bucal

SAB- Síndrome de Ardência Bucal.

O portador de ardência bucal geralmente reclama de ardência na língua ou na mucosa bucal. Sente gosto amargo ou alterado e tem dificuldade de engolir, como se estivesse com a garganta semibloqueada. Às vezes, tem a sensação de leve inchaço na língua.

Todos estes sintomas podem aparecer separadamente ou não, o que leva a um grande desconforto e queda na qualidade de vida do portador. O diagnóstico deve ser visto com prudência, pois os pacientes podem ser confundidos com portadores de líquen plano ou língua geográfica, pois possuem sintomas semelhantes aos da SAB.

A síndrome da ardência bucal afeta mais as mulheres do que os homens, em uma relação de 7 por 1. A idade média dos pacientes acometidos é por volta de 60 anos, embora esta condição já tenha sido relatada em mulheres com menos de 30 anos. Pesquisas indicam que 14% das mulheres após a menopausa sofrem sintomas de ardência na boca.

Pela dificuldade de diagnóstico, muitos pacientes passam a conviver com um estado de ansiedade ou depressão constante, pois passam a acreditar que os sintomas são de fundo psicogênico. Outros ainda acreditam que estão com uma doença incurável, os chamados cancerofóbicos (medo de câncer). 

            A área de ardência é variável, entretanto a língua é a mais afetada:

-Língua: 80%

- Palato (céu da boca): 45%

- Lábios: 40%

-Área de sustentação protética: 38%

-Garganta: 10%

-Mucosa bucal: 8%

-Assoalho da boca: 5%

Possíveis agentes causais:

-Deficiência de vitaminas do complexo B;

-Distúrbios   hematológicos;

-Diabetes de adulto não diagnosticado;

-Refluxo gastro esofágico;

-Boca seca;

-Saliva muito fluida;

-Hábitos parafuncionais (ranger ou apertar os dentes);

-Cancerofobia (medo do câncer)

-Depressão

-Climatério;

-Alergia a materiais ou alimento;

- Estresse e ansiedade.

            A ardência bucal tem cura. Porém, por se tratar de uma queixa subjetiva, pois nem sempre é acompanhada de sinais clínicos evidentes, não tem recebido a devida atenção pelos profissionais de saúde.

            Muitas pessoas com a Síndrome de Ardência Bucal podem encontrar certo alívio ao consultar com um médico ou dentista para determinar com exatidão a causa e logo tratar os sintomas. Por exemplo, se seu médico ou dentista determina que a SAB pode ocorrer por causa de candidíase oral, o tratamento com um medicamento antifúngico pode aliviar o problema. Se as causas forem deficiência nutricional ou fatores psicológicos, então as respostas podem ser suplementos vitamínicos ou medicação ansiolítica. Deve-se evitar os enxaguantes bucais com álcool, pois eles podem irritar o local da ocorrência patológica.

            A ardência bucal é uma queixa comum nos consultórios odontológicos. Entretanto, em alguns pacientes, observam-se que o tratamento para correção dos fatores causais não surtia efeito. Além disso, alguns pacientes não apresentavam nenhum fator causal possível. O início dos sintomas é geralmente espontâneo, sem fatores precipitantes identificáveis. Uma vez iniciada, a ardência pode se manter por anos.

È importante o cirurgião-dentista conhecer esta patologia, realizar diagnóstico diferencial a outras causas de ardência bucal e, caso necessário, encaminhar o paciente ao profissional habilitado a realizar o tratamento da SAB.

O tratamento da Síndrome de Ardência Bucal que ocorre sem nenhuma causa específica é muito difícil. Em tais casos, o objetivo do tratamento é controlar os sintomas da síndrome.

Vários estudos sugerem que pessoas com experiências traumáticas em sua vida são muito mais suscetíveis à síndrome de ardência bucal.

De acordo com alguns estudos, a psicoterapia pode ser uma importante alternativa para o tratamento convencional, por causa das implicações psicológicas da doença, num número significativo de casos.

Recomendações:

  1. Chupar gelo ou beber água fria para reduzir o ardor e a dor;
  1. Mastigar pastilha elástica sem açúcar para aumentar a produção de saliva e prevenir a síndrome da boca seca;
  1. Fale com o seu médico sobre a mudança de medicamentos que podem estar causando a síndrome da língua ardente;
  1. O exercício físico regular, como ioga e meditação pode diminuir o estresse e ansiedade que pode agravar os sintomas da síndrome de queimação na língua;
  1. Usar bicarbonato de sódio em vez de pasta dental, que pode estar causando os sintomas;
  2. Aplicação tópica de Aloe vera Gel na língua pode aliviar;
  1. Óleo de lavanda aplicados na boca pode oferecer alívio rápido em casos de queimação na língua;
  1. Evitar alimentos condimentados, fumo e álcool;
  1. Soluções alternativas, como acupuntura, homeopatia e laser podem ajudar a tratar a síndrome de queimação na língua;
  1. Beber mais água para evitar a secura da boca, desidratação e aumentar a produção de saliva, a fim de reduzir a gravidade de alguns dos sintomas da síndrome;
  1. Comer alimentos ricos em vitamina B12 e ferro. Estes incluem alimentos como fígado, laticínios, frango e ovos. Alimentos ricos em ferro, como vegetais de folhas verdes, como espinafre e brócolis também são essenciais para evitar a síndrome da língua ardente;
  1. A maneira mais eficaz para tratar a síndrome da ardência bucal é fazer mudanças em seus hábitos alimentares e no seu estilo de vida.

 

 

Fonte: www.ardenciabucal.com.br

 

 

Dr. José Donizetti Vieira

Cirurgião – Dentista

CROMG: 9475

Especialista em Odontologia Restauradora e Preventiva

Rua Donato Rocha, 346 – Centro - Arcos (MG)

Fone: (37) 3351-1086

 

COLUNISTA Dr. José Donizetti Vieira

Cirurgião – Dentista
CROMG: 9475
Especialista em Odontologia Restauradora e Preventiva
Rua Donato Rocha, 346 – Centro - Arcos (MG)
Fone: (37) 3351-1086

×
As informações e as opiniões expressas nexte texto são de responsabilidade do autor, devidamente identificado acima. Não expressam o pensamento do Portal Arcos e de seus colaboradores.

Mais fotos desta notícia

Tags artigo

Veja também

Portal Arcos

jornalismo@portalarcos.com.br

(37)3405-1476

Av. Governador Valadares, 263, Centro

Baixe Aplicativo do Portal Arcos